Blog sobre relacionamentos, corte e lifestyle cristão.
 
 

#Testemunho |Do Namoro para a Corte – Talita e Jeff

image10

 

“Por que para todo propósito há um tempo determinado por Deus.”

 

Acredito piamente que existem segundo, minuto e hora marcados pelo Senhor para cada acontecimento em nossas vidas, Ele, inclusive, com sua imensa sabedoria, conhecendo que nós humanos, limitados que somos vamos sempre querer dar um jeitinho de fazer com que as coisas aconteçam ao nosso tempo, faz-nos então trilhar caminhos que nos levarão, mesmo sem que nós percebamos, ao destino que é o propósito Dele. Quando entregamos a Ele nossos caminhos e todo nosso coração, Ele se encarrega de organizar as circuntâncias para vivermos os sonhos perfeitos que nasceram no coração Dele para nós.

Talita:

Hoje tenho 24 anos e posso dizer que nasci em berço cristão, fui ensinada pelos meus pais o caminho que deveria andar. Eles exerceram sua autoridade de uma forma muito firme, quando preciso, para que eu dedicasse minha infância e parte da adolescência aos trabalhos da igreja. Como, infelizmente, acontece com muitos que viveram a infância dentro da igreja, não foi nesta época que tive um encontro verdadeiro com o Senhor e vivia uma vida dupla, ou seja, estava dentro da igreja, mas com o coração voltado a experimentar as coisas que os adolescentes do mundo viviam. Desta forma comecei a ter relacionamentos na adolescência, ficando até mesmo com rapazes da igreja, como era comum entre os jovens que não eram tão instruídos quanto a importância de guardar o coração e o corpo, como hoje temos a oportunidade de ser.

Aos 17 anos, após alguns relacionamentos frustrados, eu já carregava muitas marcas e feridas na alma. Comecei então a trabalhar e, junto com a ‘independência financeira’, veio também a possibilidade de conhecer o mundo, algo que enquanto dependia totalmente dos meus pais era impossível, pois eles eram muito controladores dos locais que frequentava e amizades que tinha.

Me afastei da igreja. No início foi algo muito chocante para minha família, meus pais sofreram muito, mas com o passar do tempo decidiram que a melhor forma de me ajudar era orando e apresentando a minha vida àquEle que poderia transformá-la verdadeiramente.

Hoje tenho certeza que o Senhor me guardou e me livrou em todo tempo de muitas investidas do inimigo para acabar com a minha vida e devo muito às orações deles. Mas resumindo, fui para o mundo viver todos os prazeres momentâneos que a nossa carne quer, mas que no final resulta naquele vazio que nos suga para um buraco enorme dentro de nós – é como ficamos sem Jesus: vazios.

Entrei para a faculdade, comecei a conhecer um novo universo. Sob esta nova perspectiva meus sonhos e ideais começaram a tomar um rumo: queria viver pelo mundo, viajar, estudar, preencher o espaço do relacionamento homem e mulher com alguns casos pontuais, nada sério. Casar e constituir familia? Jamais! Eu tinha muitas coisas para viver e não queria perder a liberdade que eu imaginava ter.

Jefferson:

Enquanto eu vivia tudo isso, o Jefferson estava lá… (rsrs). Ele foi criado numa família totalmente diferente da minha, com pais separados, viveu parte da infância passando temporadas na casa da mãe e temporadas na casa do pai e, decorrente disto, nesta época, já nascia lá no oculto do coração dele o sonho de constituir uma familia e ter um casamento que durasse para sempre.

Ele tentou carreira no futebol (paixão que ele tem até hoje e que estou aprendendo a aceitar Hahaha), mas por alguns incidentes ocorridos acabou desistindo de se profissionalizar. Na adolescência também começou as descobertas: se relacionar com garotas, namorar, etc (Não gosto muito dessa parte). Após alguns relacionamentos também mal-sucedidos, lá estava o Jefferson com várias feridas e vendo seu sonho de constituir família frustrado, já que na sociedade que vivemos a valorização da família é algo cada vez menos importante. Começou, então, a colecionar relacionamentos – algo normal para um homem que nunca havia tido nenhum contato mais profundo com a palavra de Deus e não fazia parte de nenhuma religião, mas nestes relacionamentos ele não conseguia se envolver sentimentalmente.

image1

Nós- Como Tudo começou:

No Ano de 2012 eu trabalhava em uma balada (comecei a trabalhar para facilitar minhas saídas e evitar os questionamentos dos meus pais, afinal, era trabalho) e foi em uma balada que nos conhecemos. Conversamos um pouco, trocamos telefone e em seguida algumas mensagens. Dois dias depois fui numa festa convidada por um amigo em comum e nos encontramos lá. Foi ali aonde tudo começou. Um relacionamento que teve um inicio mega conturbado, com muitas mentiras, brigas.. e que não entendíamos porque levávamos adiante. Hoje, embora não acredite em predestinação, creio que tudo isso fez parte dos planos do Senhor para nós.

Após 6 meses, aproximadamente, assumimos o namoro, porém conversamos e decidimos que ele não viria na minha casa naquela época, veríamos primeiro como seria para, só depois, apresentá-lo aos meus pais. Na verdade eu não queria apresentá-lo, pois não via futuro em nosso relacionamento. Embora gostasse dele, havia muito ciúmes e desconfiança da minha parte que geravam brigas e mais brigas e isso me fazia pensar que não iríamos muito longe.

Um ano se passou…

Como eu falei anteriormente, o Jefferson ama futebol e faz parte de um time. Um amigo do time sempre o convidava para ir à igreja que frequentava fazer uma visita e o Jeff sempre me chamava, mas eu estava tão fria espiritualmente que não sentia a mínima vontade de ir.

Após muitos convites, resolvemos ir um dia conhecer a tal igreja e… Nossa! como amei.. O louvor, a Palavra… Tudo! Era uma igreja totalmente diferente da que cresci (e pela qual tenho profunda consideração e admiração até hoje), mas ali era como se eu tivesse achado meu lugar e era tão pertinho de casa, como não havia conhecido antes?!

O Jefferson também gostou muito e, assim, começamos a frequentar os cultos da Igreja Comunhão e Vida Recanto Mônica (Atual Videira Recanto Mônica – Alto Tietê).

 

Nosso encontro com Cristo

Após alguns cultos já nos sentíamos muito tocados e o Jefferson falava sempre em aceitar Jesus como salvador e por que eu não me reconciliava? Eu dizia a ele que sentia vontade, porém, a partir do momento que me reconciliasse mudariam muitas coisas em nosso namoro (que até então era um namoro como qualquer outro do mundo, tinhamos toda a intimidade prematura que apenas um casal de marido e esposa deveriam ter) e, assim, não tomávamos a atitude.

Alguns dias se passaram e mais alguns cultos… Estávamos prestes a fazer uma viagem juntos, quando em um culto em que havia ouvido muito a voz do Senhor, na hora do apelo o Pr. foi mais insistente do que o normal. Algumas pessoas já tinham atendido ao apelo, mas ele dizia que o Espirito Santo o fazia sentir que havia mais pessoas que o Senhor estava chamando naquele dia.

Eu me sentia tocada, mas a acusação do pecado não me deixava ir. Então o Pr. disse algo que me fez ter certeza que Senhor estava me chamando. Em seu discurso ele falava “Existem pessoas que o Senhor está tocando e elas não vem por que dizem “Mas Senhor, e se eu pecar de novo?”. O Senhor manda dizer, filho(a), que “Ele sabe que você vai pecar de novo, mas que Ele estará ao seu lado para te ajudar”. Foi o que eu precisava ouvir para atender ao apelo chorando. No mesmo dia o Jeff aceitou Jesus como salvador.

A partir dali começamos nos envolver mais no corpo de Cristo, começamos a visitar algumas células, conhecer mais os jovens da igreja. Contamos com a ajuda muito importante de alguém que se aproximou de mim nesta época: minha futura discipuladora, hoje amiga e madrinha de casamento. Ela começou acompanhar, fazer discipulados e eu, inocente, sem saber que estava sendo sondada (kkkk). Abri pra ela o jogo: não tinha vontade de casar, queria continuar namorando com Jeff, mas assim, do jeito que estava. Nesta época já havia apresentado ele aos meus pais e começávamos a nossa luta para manter um namoro Cristão, porém, continuava cheio de brigas, ciúmes, etc.

Passamos pelo Encontro com Deus e foi algo tremendo, claro! Na última ministração o Jefferson veio me falar sobre casamento, que durante o encontro havia sentido isso no coração e que em um determinado momento, um certo irmão (que se tornou muito querido depois) falou pra ele que deveria me pedir em casamento. Minha reação? Fiquei com muita raiva (kkkkk). O encontro havia sido maravilhoso por que o Jefferson tinha que falar em casamento? (eu ainda tinha que ser tratada quanto a isso).

image13

 

 

Conhecendo a Corte

A nossa escolha pela corte foi o que salvou nosso relacionamento. A minha discipuladora foi quem me apresentou a corte, através de um livro, que quando li a primeira vez tive vontade de rir. Pensava: “isso existe?”.

Ela explicou sobre como funcionava, mas disse que era uma escolha, ninguém era obrigado a fazer. Não demorou muito para que as pessoas pudessem perceber o quanto tínhamos problema em nosso namoro e começamos ser acompanhados.

Um dia tivemos um almoço e discipulado com o casal que eram discipuladores do Jeff (ficamos em células diferentes – eles também foram nossos padrinhos de casamento), eles haviam casado em corte e, sutilmente, naquele dia nos contaram seu testemunho . Sai de lá pensando: “isto é impossivel para mim. Se nós nos conhecêssemos agora, tudo bem, mas não! Já temos um relacionamento. Como voltaremos a ser amigos e viveremos uma corte?”

Mas confesso que ali já queimava uma pequena vontade. Comecei achar a corte algo tão romântico (e olha que nunca fui essas garotas melosas não kkk) e no meu coração surgiu um pouquinho de tristeza, me perguntava: “porque tinha que ser daquele jeito? Porque não podíamos ter nos conhecido agora e viver uma história mais romântica?

A conversa sobre casamento passou a ser mais constante e as brigas também, pois aí chegávamos a um impasse: eu queria estar com ele, mas não tinha vontade de casar, não me via casada com ele (nem com ninguém) e o Jeff não queria mais namorar por namorar. Eu vivia com coração angustiado, pois não sabia o que fazer. Eu não tinha coragem de terminar, porque além do sentimento que tinha eu temia que ele se afastasse do Senhor, porque achava que grande parte de ele estar envolvido na igreja era por minha causa (bobinha eu kkk).

Um dia, minha discipuladora disse algo que me deixou pensativa: “o que não nos traz paz, não é fruto do que vem do Senhor.” Nosso relacionamento não era de Deus? Talvez não naquele momento.

Um certo dia, o Jefferson me colocou na parede: ou eu decidia que queria casar com ele ou terminaríamos. Não iríamos continuar namorando por namorar. Resultado: terminamos. Se não me trazia paz eu não iria dizer sim, principalmente para uma decisão tão importante. A palavra ‘casamento’ me trazia um pesar enorme, eu sabia que era uma super responsabilidade, afinal, é para sempre!

Naquele dia lembro que fui arrasada para meu quarto, ajoelhei para orar e disse ao Senhor que entregava ali para ele os meus sonhos e tudo aquilo que faria parte do meu futuro. Não queria nem pedir nada, porque poderia atrapalhar o que viesse Dele: queria viver o que Ele sonhou para mim, eu confiaria Nele. Foi uma oração tão sincera… aquele dia me senti tão próxima Dele! Descansei.

Desintoxicação

Chamo essa fase de desintoxicação do namoro (kkkk). Este foi o momento de muitas mudanças. Passei me envolver mais com as meninas da igreja, passei a realmente construir uma identidade de princesa e entender que era filha do Rei, sentir prazer em estar envolvida nos trabalhos da igreja.

Enquanto isso o Jefferson começou a desenvolver uma intimidade e uma base sólida no relacionamento com o Senhor. Aquele meu medo de que ele se afastasse da igreja por minha causa, bobeira. Acredito que o Senhor usou isso também para que hoje eu pudesse vê-lo como cabeça do nosso casamento. Meu Pastor.

Nos afastamos por um período. Não nos faria bem estar perto. Depois de um tempo voltamos, aos poucos, a nos aproximar de uma forma muito natural, nada planejado, afinal, tínhamos amigos em comum, frequentávamos a mesma igreja, quase todos os sábados nos reuníamos para ver filmes juntos com os jovens da igreja. Fomos voltando a ter contato como amigos.

image15

Escolhemos a Corte

Neste período que passou, eu vivendo como princesa, passei a querer  um príncipe, um casamento, uma família. Foi incrível como aquele meu sentimento de ver o casamento como uma ‘prisão’ foi mudando e, quando percebi já era algo com o qual sonhava. E então… cada dia mais esse príncipe passava a tomar forma, ter um rosto (bem conhecido por mim) e atendia pelo nome Jefferson (Hahaha). Assim meu príncipe ia deixando de ser aquele cara frio, que não se envolvia sentimentalmente, para se tornar romântico, me surpreendendo com cartinhas e olhares apaixonados.

Daí passei a ter a certeza: era ele que seria meu marido e era com ele que queria passar o resto da minha vida. Juntos que viveríamos o propósito do Senhor para nós.

Em agosto de 2014, após seis meses que havíamos terminado nosso namoro, oficializamos a nossa corte.

image14

 

 

Relacionamento de Príncipe e Princesa

A nossa corte foi linda, como deveria ser. Muitos momentos mágicos. Fomos vendo o Senhor tratando em nós muitas coisas. Coisas que eu não gostava no Jeff, coisas que ele não gostava em mim. Éramos sempre acompanhados por nossos amados discipuladores e obreiros de jovens da nossa igreja, que estavam sempre presentes em nossas vidas, aconselhando e orando por nós. Nossa Família, também, era muito presente e participativa e foram fundamentais em nos apoiar nas nossas escolhas. Neste momentos haviam outros casais em corte na igreja com quem dividíamos os sonhos, anseios e experiências. Foi uma fase mágica! Coisas de príncipe e princesa.

 

image9

 

Já sonhávamos com casamento, mas parecia algo tão distante dadas as circunstâncias (eu desempregada, O Jeff cheio de dividas também). Aos nossos olhos, um casamento com cerimônia e festa era algo impossível, por isso eu nem queria alimentar expectativas quanto a isso. Mas como meu corte sempre havia sonhado com casamento e havia se tornado um homem de fé começou me incentivar e, após recebermos algumas palavras da parte do Senhor, começamos a planejar, mas, para começar a colocar os planos em prática (na verdade a fé, que era tudo que tínhamos para por nossos planos em prática), faltava algo. No dia 13 de dezembro de 2014, após um culto de jovens que tivemos, onde reunimos todas as igrejas que faziam parte aqui da nossa região, o Jeff me pediu em casamento. Sou suspeita para falar, mas foi tudo lindo! rsrs.

image7

Nosso Felizes Para Sempre

A Partir de então começamos a orar e agir, afinal, a fé sem obras é morta! Não tínhamos condições (e não tínhamos mesmo!), mas tinhamos a promessa do nosso Pai, e isso nos bastava. Até hoje não sabemos explicar como, mas no dia 25/07/2015 nos casamos, numa cerimonia e festa simples, mas que foi da forma que sonhamos (como o Senhor havia prometido que seria) e repleta de amor.

image8

 

Algo que nos marcou muito foi participação de tantas pessoas que sonharam conosco e tomaram esses sonhos para si, vivendo-o como se fossem seus! Familiares, amigos, irmãos e muitas pessoas que foram sendo colocadas em nossas vidas como por acaso, mas que, com certeza, faziam parte dos planos do Senhor, pois tudo contribui para o bem daqueles que o Amam! (Lágrimas nos olhos ao lembrar de como nos sentimos amados). Claro que não poderia faltar muita emoção no grande dia. O Senhor cuidou de cada detalhe mesmo, e foi assim, a nossa história escrita pelo Rei do universo, que adora romances.

image16

 

 

Sei que ficou mega longo (e olha que ainda tinha muito mais kkkkk), mas se você chegou até aqui, espero que tenha sido edificado pela nossa história. Creia que para o Senhor não há sonhos impossíveis e que Ele se preocupa com cada detalhe dos nossos. Tenha fé e confie Nele os seus. Deixe de lado a ansiedade. Se hoje você está aguardando no Senhor, espere com paciência, aproveite cada fase. A vida de casado é maravilhosa e a vida de solteiro é tanto quanto… é só sabermos viver cada fase, sem estarmos ansiosos pelo amanhã, pois dele nosso Pai ja está cuidando!

Tudo no tempo Dele é Perfeito, e todas as coisas cooperam para o bem dos que o amam.

Testemunho: Talita e Jeff.
Igreja: Videira Recanto Mônica – Alto Tietê

Se você também tem um testemunho, envie um  e-mail para: contato@odiáriodazoe.com.br
Lembre-se o testemunho edifica a igreja, não deixe de compartilhar.

O Diário da Zoe

31 de agosto de 2015 Testemunho
2 comments

2 Responses to “#Testemunho |Do Namoro para a Corte – Talita e Jeff”


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top