Blog sobre relacionamentos, corte e lifestyle cristão.
 
 

#Relacionamentos | Eu – Coerência!

coerencia

Oi gente,

Estou um pouco sumida é verdade, e a culpa é minha. Tem sido muito difícil me organizar pra achar tempo de compartilhar com vocês. Por outro lado estou com o coração explodindo, com tantas coisas que quero e preciso falar.

Nos últimos tempos tenho sido tomada de uma profunda indignação, comecei a perceber que nós os cristãos, que temos uma IDENTIDADE bem resolvida (ou pelo menos deveríamos ter), somos os que menos expressam essa identidade no nosso dia a dia.  Digo isso, porque comecei a consumir muitos vídeos e nesse tempo vi que pessoas completamente sem propósito falam de suas “convicções” com tanto ímpeto e o pior acabam arrastando milhares de pessoas junto com elas. São verdadeiros influenciadores, mesmo que seja uma má influencia, estão lá totalmente ativos e expondo publicamente o que pensam a cerca de qualquer coisa.

Contudo, nós que temos propósito ficamos muitas vezes calados para não entrar em conflitos, ou termos algum problema com um familiar ou mesmo um amigo que nem compartilha da mesma fé que nós. Seguimos a risca o ditado que diz que religião, política e gosto não se discutem. O que é engraçado em tudo isso, é que nós temos que ouvir aquele colega de trabalho falar mal dos crentes, ouvir nossos familiares zombarem de nós por decidirmos nos guardar para o casamento ou não falarmos que somos contra o casamento gay, afinal esse é um assunto muito polêmico. Somos os “parciais”, os “omissos” os “sem sabor”.

Essa indignação começou a ser gerada no meu coração, e eu sinceramente estava louca para colocar a boca no trombone e falar um monte para os crentes que agem assim.  Até que algumas circunstâncias e algumas conversas me fizeram ver, que essa indignação, não era sobre os outros, mas sobre MIM mesma.

Com certeza você já ouviu falar que aquilo que mais te incomoda no outro é o que ele tem de mais parecido com você e nesses dias essa frase tem feito todo o sentido pra mim.  Graças a Deus por isso!

Bem, analisando todo esse meu conflito, cheguei a uma conclusão. Porque é que mesmo eu tendo minha identidade em Cristo, ainda estava com essa dificuldade de me posicionar “fora da igreja”, digo isso porque no meio dos irmãos, sempre somos intensos e radicais.  O problema é fora do ambiente da igreja. Descobri que o grande problema era a “coerência”. Como assim?

Coerência
substantivo feminino

1.qualidade, condição ou estado de coerente.

2.ligação, nexo ou harmonia entre dois fatos ou duas ideias; relação harmônica, conexão.

A coerência nada mais é do que a prática daquilo que nós cremos.  Talvez você esteja pensando que no meu ambiente de trabalho sou um agente secreto do reino, aqueles crentes que não se dizem crentes, para não assustar as pessoas. Não, eu não sou essa pessoa. Pelo contrário, faço questão de falar sobre isso, pois é o meu propósito de vida.  Sempre fui muito radical nesse aspecto, inclusive quando estava esperando em Deus pelo meu marido. E como mencionei, fui muitas vezes tachada de retrograda e alienada rs.

Talvez você seja essa pessoa, que não é coerente nisso e age assim quando está longe dos irmãos da igreja.

No meu caso entendi ser algo mais profundo. Deus me chamou para influenciar uma geração e muitas vezes por medo de “errar” deixei de falar e expressar as minhas convicções. E deixei de fazer isso por entender que o mais difícil na vida cristã é ser coerente.  A coerência que estou falando é a prática da palavra.  Não é difícil compartilhar uma palavra na célula, ou pregar em algum lugar para muitas pessoas. O difícil é voltar pra casa e se deparar com aquela situação que você pregou e não conseguir praticar. Por exemplo, falamos muito em submissão e na verdade não é difícil falarmos sobre isso, o difícil é ser submisso.  Falamos de unidade, o difícil é viver essa unidade na hora que o irmão não faz o que você esperava que ele fizesse. Cobramos constância das pessoas, mas nós mesmos mudamos de ideia do dia pra noite.  Assim fica difícil.

Por saber disso, é que dá medo de abrir a bocona e declaramos o que acreditamos. Isso pode até parecer bom, afinal estamos reconhecendo  que somos fracos, mas não é bem assim. Temos medo de nos posicionarmos a respeito de uma coisa e amanhã não conseguirmos  sustentar aquilo. Mas pensando nisso, é o mesmo que as pessoas fazem hoje com respeito ao casamento. Elas casam-se com a mentalidade de que existe a possibilidade de divórcio, ou seja, se você já se casa com esse pensamento, na primeira dificuldade que surgir vai correr pra essa válvula de escape. Mas e se essa opção não existir? Você terá que resolver o problema. Compreende?

Fugir do conflito não vai nos fazer crescer e eu sempre fui essa pessoa que fugia de conflitos, tinha dificuldade de falar não e infelizmente sofri muito com isso. Tenho aprendido que os conflitos são importantes e nos fazem crescer. Quando expomos nossa ideia a cerca de algo, estamos nos abrindo para a possibilidade de alguém ir contra aquilo, mas por causa disso deixaremos de falar o que pensamos? Entenda, não estou falando de briga ou discussões sem sentido. Estou falando de uma opinião consistente, como por exemplo, você crer  que Jesus é o caminho a verdade e a vida. Se alguém é contra isso, você prefere ficar calado?  Entendo que se eu me calo diante de algo assim, é sinal de que eu não creio. Por outro lado, se falo com certeza, com convicção, no mínimo farei o outro pensar sobre isso.

Estudando a vida de grandes homens e mulheres de Deus, é possível perceber que foram grandes porque declararam publicamente suas convicções e percorreram com coerência o caminho que estava proposto.

A falta de expressão da igreja se deve a nós, que somos omissos em falar e viver as verdades que cremos.

“Mas aquele que tem dúvida é condenado se comer, porque não come com fé; e tudo o que não provém da fé é pecado.
Romanos 14:23

“Sede praticantes da Palavra e não simplesmente ouvintes, iludindo a vós mesmos”.  Tiago 1:22

Com a mesma intensidade, rendição e amor que recebemos a Cristo e publicamente confessamos isso através do batismo, precisamos continuar a caminhada com ele.

“Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele.“ Colossenses 2:6

 

Que nossa vida possa expressar o que de fato cremos.

“Seja, porém, o teu sim, sim! E o teu não, não! O que passar disso vem do Maligno.”  Mateus 5:37

Talvez esse post tenha ficado um pouco confuso, mas era o que estava em meu coração para compartilhar. Espero que assim como eu tenho aprendido a ser coerente, Deus também te ajude a viver assim pra que juntos possamos fazer a diferença.

Quero aproveitar e indicar um testemunho muito bacana, que  tem tudo a ver com o que compartilhei aqui.

Que a graça de Deus nos ajude a sermos sal nessa terra.

dani_noiva

Danielle dos Santos
@danielle.dz
danielle@odiariodazoe.com.br

29 de fevereiro de 2016 Palavras de vidaRelacionamentos
No comments yet


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Top